Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea

A arte contemporânea pretendia-se acessível e apreensível pelo senso comum, numa reação contra o elitismo das “belas-artes” tradicionais. Afinal, não: a memória coletiva perceciona melhor e, por isso, adere com mais facilidade às formas e composições que lhe são familiares e pode identificar, nomear ou descrever. Talvez seja isso que justifica o alheamento ou a incompreensão face às vanguardas. Continuam por compreender – e por aceitar! – as instalações cuja conceptualização exige uma descodificação mais complexa e elaborada.

Na mesma semana em que era noticiada a destruição de um vaso do conjunto Colored Vases, integrado na exposição Ai Weiwei: According to What?, no Perez Art Museum em Miami, surge agora a notícia da destruição de alguns elementos de uma obra dePaul Branca, exposta na galeria Murat, em Bari, Itália. Os factos e as motivações não são idênticos, tal como não o são as motivações: enquanto o primeiro foi intencional e expressivo; o segundo foi um ato meramente fortuito.

Exposição "Ai Weiwei: According to What?" Miami, Perez Art Museum, 2014.

Exposição “Ai Weiwei: According to What?”
Miami, Perez Art Museum, 2014

Os vasos de Ai Weiwei expõem-se face a um tríptico fotográfico onde o artista levanta um pote da dinastia Han (206 a.C. – 220 d.C.) e, impassível, o deixa cair, registando um ato de contestação feito em 1995. Maximo Caminero, artista e recetor-observador da mensagem encarou-a como uma provocação e completou o protesto performativo pegando num dos vasos Han, reapropriados e repintados em cores vivas por Ai Weiwei, e replicando-lhe o gesto, quebrou-o. O ato de vandalismo e, por isso, condenável, ultrapassa a dimensão imediata para reavaliar e reequacionar as regras da arte, do património, da conservação e da preservação face à liberdade de expressão e à criatividade individual. Sobretudo, porque Ai Weiwei condenou o ato de Caminero, e apesar do tom displicente e dos argumentos invocados relacionados com a posse do objeto.

Exposição "Mediating Landscape" de Paul Branca Bari, Galeria Murat, 2014

Exposição “Mediating Landscape” de Paul Branca
Bari, Galeria Murat, 2014

Em Bari, uma empregada de limpeza deitou ao lixo bocados de papel de jornal, de cartão e migalhas, pensando tratar-se de restos da montagem da exposição. A empresa para a qual trabalha veio justificar que a empregada se limitou a fazer o seu trabalho e que apenas deitara fora o que lhe parecera ser lixo. A verdade é que ela estava certa: a intenção subjacente à instalação, avaliada em 13.000 dólares, pretendia provocar a reflexão do visitante acerca da progressiva degradação do meio ambiente, propondo-lhe a visualização do lixo espalhado, numa analogia à poluição das paisagens contemporâneas. Mais ainda, e também neste caso, a empregada de limpeza levou a mensagem subjacente às últimas consequências e, interpretando objetivamente o que via, limpou a “paisagem poluída”. Em certa medida, completou o ciclo da intervenção de Paul Branca e deixou nela a marca da sua interferência no universo comunicacional que é a exposição dialógica e interatuante.

Afinal, quais são os limites para a expressão individual na arte contemporânea?

Fontes das imagens:

Display Mediating Landscape, Bari, 2014. In Artribune.
http://www.artribune.com/wp-content/uploads/2014/02/photo_5.jpg

The (undamaged) installation by Chinese artist Ai Weiwei: According to What. In The guardian. Photograph: Daniel Azoulay/Perez Art Museum Miami/EPA
https://static-secure.guim.co.uk/sys-images/Guardian/Pix/pictures/2014/2/18/1392727985071/ai-weiwei-installation-012.jpg

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s